REFLEXOES SOBRE A GUILHOTINA - RECORD

Código: LUVG8UVLK Marca:
R$ 59,90 R$ 53,00
ou R$ 51,41 via Depósito
Comprar Estoque: Disponível
  • R$ 53,00 PagSeguro
    • 1x de R$ 53,00 sem juros
    • 2x de R$ 26,50 sem juros
    • 3x de R$ 17,67 sem juros
    • 4x de R$ 13,25 sem juros
    • 5x de R$ 10,97
    • 6x de R$ 9,30
    • 7x de R$ 8,11
    • 8x de R$ 7,21
    • 9x de R$ 6,52
    • 10x de R$ 5,97
    • 11x de R$ 5,51
    • 12x de R$ 5,14
  • R$ 51,41 Deposito
  • R$ 51,94 Boleto Bancário
  • R$ 53,00 Entrega
  • R$ 53,00 Mercado Pago PIX
* Este prazo de entrega está considerando a disponibilidade do produto + prazo de entrega.

 

 

Em Reflexões sobre a guilhotina, ensaio inédito no Brasil do vencedor do Prêmio Nobel, Albert Camus, o autor demarca sua posição contrária à pena de morte. O livro ainda conta com um prefácio à edição brasileira escrito por Manuel da Costa Pinto. Em 1914, o pai de Camus, descrito como um homem bom, comparece a uma execução pública. Após a decapitação do assassino, considerada por muitos uma pena ?suave demais? por conta de seus crimes, ele volta para casa em choque, em completo silêncio, passa mal e vomita. Como essa ?justiça? pode deixar um homem nesse estado?, questiona o autor argelino. O que há de errado com essa condenação?Esse é o ponto de partida de Reflexões sobre a guilhotina, ensaio em que Camus, um dos mais importantes pensadores do século XX, discute a pena de morte, em especial a morte na guilhotina. Para tanto, ele tece críticas a qualquer argumento em defesa da pena capital. Para Camus, numa sociedade dessacralizada não pode haver uma pena definitiva. Enquanto para a Igreja católica a pena de morte não é o fim ? afinal, é provisória: o condenado é arrancado da sociedade, mas com chance de redenção no pós-vida ?, na sociedade em que vivemos a pena capital é, sim, definitiva. É uma afirmação de que alguém é absolutamente mau enquanto a sociedade seria absolutamente boa, e coloca o juiz no lugar de Deus.Além disso, Camus argumenta que, para se acreditar que a morte na guilhotina teria um caráter exemplar, seria preciso partir do pressuposto de que a morte de um criminoso condenado num processo judicial, sujeito a falhas, impediria crimes que poderiam nunca ser cometidos. Ou seja, mata-se uma pessoa por uma hipótese.Camus percebe a pena de morte como nada mais que uma lei de talião da sociedade ? um ?olho por olho?. E vê nela uma contradição: como pode uma lei responder a um instinto natural quando o papel da legislação é justamente inibir os ímpetos mais animalescos da humanidade? Em sua análise, o Estado e a sociedade, mais que cúmplices, são responsáveis por essas mortes, Estado este que mata o indivíduo condenado à morte duas vezes: uma quando o condena e o faz viver com a expectativa do fim, outra quando de fato dá cabo à sua vida.A última morte por guilhotina na França aconteceu ainda no século XX, em 1977. O autor de grandes livros como O estrangeiro, A peste e O mito de Sísifo apontou as contradições dessa prática em 1957 em um contexto muito específico da França, mas seus argumentos reverberam ainda hoje em nossa sociedade.

 

Produtos relacionados

R$ 59,90 R$ 53,00
ou R$ 51,41 via Depósito
Comprar Estoque: Disponível
Sobre a loja

Loja tradicional localizada no centro de Florianópolis há mais de 50 anos no ramo de revistas, livros, HQ's,mangás, Dvd's clássicos, colecionáveis entre outros, Horário de Atendimento: 08:00 à 19:00 (Loja Física) e 10:00 à 16:00 (Dúvidas da Loja Virtual).

Social
Pague com
  • Mercado Pago
  • Mercado Pago
  • PagSeguro
Selos
  • Site Seguro

Joreli comercio de jornais revistas e livros ltda - CNPJ: 75.393.173/0001-16 © Todos os direitos reservados. 2022